É mesmo bom a música a explodir-me dentro, a ser no peito um objecto voador não identificado, a redimensionar o espanto, o atónito, o exclamativo. A música aprofunda-nos, eleva-nos para dentro, para os ilimites que somos e não nos apercebemos. Azul e quente, amarela e doce, verde e fresca. A música a arder toda como se vindo de tudo. Da língua na música e da música da língua. Triunfante e plena, exacta e plásmica. O sumo dos frutos. Eu e a minha música e o caroço único das nossas almas.
Eduardo White

Sigur Ros - Hoppipolla - Live from Heima

Sem comentários:

Enviar um comentário

--