Crystal Chappell em Venice

Eu quero fazer o elogio do amor puro, do amor cego, do amor estúpido, do amor doente, do único amor verdadeiro que há, estou farto de conversas, farto de compreensões, farto de conveniências de serviço. Nunca vi namorados tão embrutecidos, tão cobardes e tão comodistas como os de hoje.Incapazes de um gesto largo, de correr um risco, de um rasgo de ousadia, sãouma raça de telefoneiros e capangas de cantina, malta do “tá bem, tudo bem”, tomadores de bicas, alcançadores de compromissos, bananóides, borra-botas, matadores do romance, romanticidas. Já ninguém se apaixona? Já ninguém aceita a paixão pura, a saudade sem fim, a tristeza, o desequilíbrio, o medo, o custo, o amor, a doença que é como um cancro a comer-nos o coração e que nos canta no peito ao mesmo tempo?
Elogio ao Amor - Miguel Esteves 

 Eu quase amei a forma como tu mentias, limpando os pés ao meu sorriso. É claro que achas que eu não presto.É claro que achas que eu não sirvo. Foi no teu amor que algo se perdeu foi no teu amor, não no meu.
Manuel Cruz

Sem comentários:

Enviar um comentário

--