E por isso, fotografamos. Porque talvez assim as coisas não morram - como todas as coisas devem morrer, naturalmente - e fiquem, sei lá eu, suspensas para sempre numa folha de papel onde imprimimos um instante que, todavia, já sabiamos que nunca mais voltaria.
"Ukuhamba", Miguel Sousa Tavares

Sem comentários:

Enviar um comentário

--