Investigar a partir de pontos conhecidos

Sobre este caminhar empurrado ou empurrando outros caminhares, outros raciocínios, wittgenstein fornece-nos uma imagem forte:

"É como se eu me tivesse perdido e perguntasse a alguém o caminho para casa. Ele diz que mo vai mostrar e acompanha-me ao longo de um caminho agradável e tranquilo. Este finda de repente. E então o meu amigo diz-me: " Agora, tudo o que tens de fazer é procurar o caminho para tua casa a partir daqui." 
De certa maneira, a investigação que investiga conceitos é um pensamento que está perdido - há tanta coisa á nossa volta, tantos acontecimentos, livros, autores: porquê seleccionar uns e não outros? , porquê mais atenção a esta obra e não à outra do mesmo autor? , a este conceito, a esta frase e não a outra? , qual a razão, enfim, para se avançar por este e não por aquele lado?
Todo o investigador investiga porque está perdido e será mais sensato não ter a ilusão de que deixará de o estar. Deve, sim, no final da sua investigação, estar mais forte. Continua perdido, mas está perdido com mais armas, com mais argumentos. Como alguém que continua náufrago, mas que tem agora, contra as intempéries e os perigos, um refúgio mais eficaz.
Llansol:"tentar dizer o que uma coisa é, é viver."

pag.39
Gonçalo M. Tavares
ATLAS DO CORPO E DA IMAGINAÇÃO

1 comentário:

--