Fevereiro de 2012. Madrid

Fica comigo. Daqui a nada é noite e as noites custam, a mim custam, sobretudo quando os candeeiros da rua se acendem e as árvores e os prédios fronteiros logo diferentes, quase ninguém na rua, um miúdo com um cão lá ao fundo, uma tristeza parada na tonalidade do silêncio, estes móveis e estes retratos que não me ligam nenhuma, os teus passos na escada, tu no passeio: nem vou à janela olhar, não quero olhar. Fica comigo só mais um bocadinho, dez minutos, meia hora, sei lá, o tempo inteiro. Mesmo que não fales. Mesmo que leias a revista do jornal. Mesmo que não me toques. Mesmo como se eu não existisse.
António Lobo Antunes

Querida Julietta, não sei se ainda me lês, mas, tenho imensas saudades dos teus crepes ao pequeno-almoço, do teu mau-humor durante a manha, dos teus sorrisos durante a tarde, e das nossas pequenas conversas sobre a vida frente ao mar ao fim da tarde.

Sem comentários:

Enviar um comentário

--