O amor não te deixa completamente imóvel. O nome disso é trânsito do Porto. 
O amor é outra coisa.
Desconhecido 

A resposta continua a ser silêncio. Desta vez, vou tomar como um talvez.
Não sei se te deva bater à porta por dentro ou por fora.
É só dizeres e eu parto-te a porta à machadada, deixar o fogo solto até não ter mais por onde arder.
Coloca o teu ódio nas minhas mãos, eu deixo-o escorrer pelos meus dedos, diluído.

Isto é para ti. É para todas as vezes que te ouvi, tantas vezes que acabei por conhecer a tua dor e sofrê-la contigo.
Porque nós ardemos muito mais quando tentamos esconder o calor.

“Deixa-me arder até aos alicerces”, disseste.
Só se me deixares ficar com as cinzas.
Desconhecido 

O pensamento não deixa a realidade ser real.
Desconhecido

Apollo and Daphne by Lorenzo Bernini (1625)

Sem comentários:

Enviar um comentário

--