Requiem for a Dream (2000) 
 
Viver em paz é uma seca.
Viver não é paz. Viver em paz é abdicar de viver. A vida, quando é pacífica, não é vida – é uma recaída. Quem vive em paz vive uma vida adoecida. Uma vida caída e recaída. Viver em paz é viver em quarentena. Viver não é em paz. Viver é em pás. Pás, pás, pás. Viver é em pás. A euforia faz pás em ti. A adrenalina faz pás em ti. E também, porque viver também tem de ser isso, o medo, o pranto, o grito. E a pele na pele, e a boca na boca, e a mão na mão. E o amigo que abraça o amigo, e o pai que abraça o filho. Pás. Pás com força. Pás com tudo. Pás em tudo. O pás de uma onda que se revolta no mar, o pás de um vento que te aperta o peito, de um olhar que te deixa sem jeito. Pás. Viver é em pás. Viver só pode ser em pás. Pás, pás, pás. E pás. Vive em pás. Sê em pás. Vai – e vem-te – em pás. E que a vida te acompanhe.
  Pedro Chagas Freitas

1 comentário:

--